bb

sexta-feira, 30 de agosto de 2013

MV AGUSTA BRUTALE 1090


Eu não posso esquecer de como foi a primeira vez que eu vi uma MV Agusta Street "de verdade", foi uma 750 Sport "Magni". Eu estava estacionado na calçada em um posto de gasolina antigo. Antes eu tinha visto muitas MV Agusta na rua, feitas na Espanha por Avello, mas elas eram pequenas ou com motor de um cilindro médio.

A MV Agusta 750 Sport era a esportiva do momento, com seu motor de quatro cilindros em linha, quatro saídas de escape, duas para cada lado, como a lendária MV 500 pilotada por Mino na competição de Agostini e Phil Read . O tanque de combustível era enorme, pintado em azul e vermelho, com estofado em couro vermelho. Eu estava boquiaberto para ela. Eu lembro de ter visto chegar  um senhor de meia-idade, impecavelmente vestido, ligar o motor, ajeitar os óculos e luvas de couro e ir em direção ao cinema. Lembro-me do barulho do motor, aquele ronco tão característico das engrenagens e do sincronismo ... essa  é a moto! Certamente, se você é da minha geração da década de 70  tinha uma paixão por motos, você vai saber do que eu estou falando.

A MV Agusta sempre foi um objeto de adoração, uma moto muito especial, com uma personalidade forte, tanto em seu comportamento como também no desempenho. O tanque de combustível com entalhes marcados para as pernas e suas peculiares entradas de ar para alimentar caixa de entrada. Quadro misto formado por uma banda de ligação com placas laterais de alumínio, onde o âncora pivô do braço oscilante é feita de alumínio. O alumínio também representa a subestrutura que forma a parte de trás da moto dando apoio ao condutor e ao passageiro.

Os freios não são top de linha, mas você não pode colocar muitos inconvenientes, tem radial de montagem pinças Brembo com monobloco, mas não são tão fortes como oc discos de 310 mm. Em vez disso, o pequeno disco traseiro de 210 tem uma parada suficientemente aceitável.

Quanto ao motor eu posso te dizer sobre o som (algo cuidadosamente desenvolvido na marca) é inequivocamente uma MV. Eu acho que eles fizeram um ótimo trabalho na concepção de sua curva de potência ultrapassando modelos anteriores.

Em seus dois modos incluem gestão eletronica do motor, em normal e esporte. A potência é a mesma em ambos os casos, o que varia é a resposta do acelerador. Outra novidade é o controle de tração ajustável para oito posições. A desvantagem é que a mudança de um para outro com os botões do painel de instrumentos é um pouco confusa, requer alguma prática para entender seu funcionamento se você não fizer isso de forma rápida e intuitiva.

Na cidade eu tive que me acostumar com o seu pequeno raio de giro, o que impede circular agilmente entre os carros. A sensação do motor é boa, mas a embreagem precisa de um período de adaptação. A posição é confortável e segura também.

Para ir com  passageiro tem que ser corajoso e entusiasta, tem alças garantidas, mas nem a sua posição, nem a qualidade do assento é feito para fazer viagens longas. Mas se você gosta de emoções ... Além disso, a configuração de suspensão demonstra um compromisso bem sucedido, e conta com os regulamentos em todos os parâmetros, se você quiser pode personalizá-los ao seu gosto.

Conclusão
Para encerrar, vou dizer que, possuir uma MV Agusta na garagem mesmo que seja por um momento foi um sonho não realizado, um mero objeto de desejo. Esta Brutale 1090 é uma forma eficaz e exclusiva, graças a um comportamento equilibrado e com um preço mais "normal".

2 comentários:

  1. Para quem não conhece a marca, a MV Augusta é para o mundo das motos o que a Ferrari é para os carros esportivos. Um verdadeiro ícone mundial, e por mais detalhado que seja, é indescritível o prazer de se pilotar uma máquina dessas, simplesmente perfeita...

    ResponderExcluir